Fotografia de Autor

 

Decadência gloriosa

2013- 2020
©Ana Pereira

Unidos num mesmo momento geracional, social, evolutivo.

Entre a exploração do mundo terrestre, a herança histórico-biológica do que foi e uma sensação etérea do que será, prospecção do universo mental global. A esperança de Pandora projectada numa emoção reflexo geminóide.

Adultos que o não querem ser. Que perpetuam o passado sem querer. Que projectam nas relações sociais, amorosas, sexuais e virtuais uma ideia de protecção parental ad eternum.

Um tempo que não quer crescer. Porque tem medo. Medo porque tudo o que foi lentamente vai cessando de ter possibilidade de sobrevivência futura e o que vai ser ainda não é um modelo aprovado, comprovado, existindo ainda e só no mundo das ideias puras, sem certificação experimental.

E na fronteira do abismo e da esperança acreditamos que talvez seja possível tocar no mundo com o que sobra de nós.

cropped-glorious-1-e1571674846390-2.jpg
Decadência gloriosa
AP-GloriousDecay
Decadência gloriosa
AP-GloriousDecay00
Decadência gloriosa
AP-GloriousDecay01
Decadência gloriosa

 

Mademoiselle

©Ana Pereira

A premissa para esta série Mademoiselle, foi um diálogo fotográfico, tendo as diversas perspectivas perante a vida como elemento base.

O retrato é matéria sensível da fotografia, ao adereçar elementos fundamentais da intimidade e da construção de cada um de nós.

Neste presente enquadrado numa crise económica e estrutural, que nos afeta o sentimento de esperança e de pertença, algumas questões levantam-se sobre o sentido do feminismo hoje em dia e o espaço da criatividade no seio da sobrevivência quotidiana.

SerieMademoiselle13
Carla Fernandes
SerieMademoiselle12
Ornella Ascolese
SerieMademoiselle11
Márcia Bellotti e Luiza Porto
SerieMademoiselle10
Djaimilia Almeida
SerieMademoiselle09
Margarida Gonçalves
SerieMademoiselle08
Inês Meneses
SerieMademoiselle07
Vânia Rovisco
SerieMademoiselle06
Susana Menezes
SerieMademoiselle05
Clara Coelho
SerieMademoiselle04
Ana Luena
SerieMademoiselle03
Madeleine Costa
SerieMademoiselle02
Rita Fontes
SerieMademoiselle01
Katia Leonardo
SerieMademoiselle00
Marin Fanjoy-Labrenz

O Mundo das pequenas coisas

Imagens de um presente em pausa 
segunda parte
©Ana Pereira

Lisboa e Alcobaça 2015

Quem somos nós hoje e que rosto temos?

Estas imagens são uma tentativa fotográfica de contemplação do presente. Através de algumas estratégias formais do passado – os fundos com referências paisagísticas e os códigos de formalidade que peço aos retratados para adotarem.

Ponte de Lima 2016

Desde que conheço o Manuel Pimenta, que imagino a narrativa da sua vivência na farmácia, em imagens e palavras.

Muitas vezes pensava nos Retalhos televisionados da vida do médico Fernando Namora, que tanto me impressionaram quando cheguei a Portugal em criança.

Neste projeto de retrato, utilizei algumas estratégias formais do passado, como os fundos com referências paisagísticas e os códigos de formalidade que peço aos retratados para adotarem. Abordagem fotográfica essa que tenho vindo a desenvolver nos últimos anos.

Estes Retratos de uma farmácia, procuram ser uma representação pictórica presente da farmácia da Misericórdia em Ponte de Lima, sendo naturalmente uma homenagem, sob a forma de retrato fotográfico a todas estas pessoas, que quotidianamente por ali passam.

Série12Série21Série20Série19Série18Série17Série16Série15Série14Série13Série22Série23

Teresa ou Audrey says

©Ana Pereira

Sérieteresa02Sérieteresa00Sérieteresa01

O Mundo das pequenas coisas.

Parte I. 2008. 16 imagens

©AnaPereira

Tenho alguns retratos antigos que fui guardando, imagens da família perdida no Brasil, imagens de desconhecidos que comprei em feiras de velharias e outras que açambarquei por meios menos lícitos.
Antes da minha vida se cruzar com a fotografia para nunca mais se ir embora, estas imagens já me acompanhavam.
O passado interessou-me sempre mais do que o presente e obviamente muito mais do que o futuro.
Demorei anos a tomar consciência de que no passado existia cor, sim para mim o passado era a preto e branco e sépia, mesmo a realidade do dia-a-dia.
Pensava em como os rostos dos homens, mulheres e crianças foram mudando, tornando-se mais leves.
Depois com a fotografia entendi que uma parte desse peso que eu via nos rostos do passado, tinha mais a ver com os processos fotográficos usados e os tempos de exposição do que com as agruras da vida e alterações antropomórficas.
Desde que descobri o trabalho do Joel-Peter Witkin e da Sarah Moon, no final dos anos 90, que me persegue a ideia de pintar um fundo como os destas imagens antigas e andar com ele pelas ruas do mundo a fotografar pessoas.
O Geo fez-me este fundo e decidi começar esta série de retratos, ali mesmo, na minha sala.
Tecnicamente interessava-me explorar o trabalho de retrato, frontal, pose clara.
Trabalhar com o maior número possível de pessoas, o mais diferentes entre si e de mim e trabalhar a aproximação com as pessoas e o retrato.
Depois interessava-me trabalhar a manipulação digital.
E penso no que o Fabio Iaquone me disse uma vez: quando tiveres uma ideia, executa-a logo, sem esperar, sem olhar para trás, porque as ideias circulam numa rede global e o que faz com que o teu cérebro despolete o pensamento que te vai levar a determinado resultado, é o mesmo e incompreensível facto que fará com que mais alguém, noutra parte qualquer do mundo, mais tarde ou mais cedo produza a mesma ideia.



O Mundo das pequenas coisas. parte II. 

2009. 8 imagens

©AnaPereira

Procuro neste projecto uma aproximação à tradição fotográfica da carte-de-visite, prática comercial fotográfica do final do século XIX, caracterizada em particular pelas poses marcadas dos retratados e pela utilização de fundos que remetem o nosso olhar para um ideal de paisagem pictórica e de vida exterior ao estúdio.

Em Rio de Frades, realizei dois conjuntos de imagens, um de retrato sob um fundo branco e outro conjunto de imagens representativo de uma visão de paisagem, de forma a posteriormente realizar um compósito de retrato e paisagem.
Trabalhei tanto a paisagem rural como a paisagem abandonada do antigo couto mineiro de Rio de Frades, localizada na freguesia de Cabreiros, local onde foram demarcadas as primeiras minas de volfrâmio em 1914.
Logo na primeira visita à aldeia, entendi que a população desta povoação dividia-se em dois grupos distintos, um grupo que tinha trabalhado nas minas e outro grupo que não e com esta demarcação populacional em mente, fiz a construção das minhas imagens.
No caso das pessoas que trabalharam nas minas, Dª Aurora, Srº José, Dª Argentina e Dª Alzira a imagem final que apresento é um compósito do retrato com uma paisagem actual das minas desactivadas, no caso das pessoas cuja vida profissional não passou pelas minas, uno o retrato a uma paisagem da aldeia de Rio de Frades, a saber Dª Lina, Dª Isaura, Dª Anabela, Dª Fernanda e Dª Adelaide.


 

O Mundo das pequenas coisas

Imagens de um presente em pausa

Porto 2010. 20 imagens

©AnaPereira

Quem somos nós hoje e que rosto temos?
Uma nova urbanidade desponta na cidade, caracterizada por uma maior convivência étnica e a coexistência de classes sociais distantes, numa cidade com laivos de ruralidade, tendo a periferia um peso essencial na construção da identidade, social e cultural.
Este trabalho visa analisar como pode a fotografia tratar os mesmos temas que as ciências sociais e humanas, criando um corpo de trabalho que acompanha a evolução da história do estúdio fotográfico recorrendo ao processo da carte-de-visite.
Tendo estas questões como linhas orientadoras, realizei um projecto de retrato que aborda as questões da diversidade étnica e social no seio da cidade do Porto, recorrendo a uma estrutura formal que advém da carte-de-visite.




 

Garbage Story’s – As histórias românticas do lixo. 

Parte 1. 2006.

©AnaPereira

Abandonamos os objectos como as pessoas, às vezes com calma, às vezes friamente e, por vezes, sem perceber que o fizemos.

Não somos capazes de transportar ao longo da vida todos os objectos que nos rodeiam e por isso, vamos preterindo uns a seguir aos outros, como os brinquedos que as crianças deixam para trás a cada novo que chega.

Estes objectos de lixo que encontro na rua, aparecem sempre isolados, como se alguém os tivesse ali pousado, ali naquele sítio especifico.

Quase como se o mundo se organizasse em torno deles, deixando sempre um vazio, vasto e estranho em torno de tudo o que é deixado para trás.


 

Garbage Story’s- As histórias românticas do lixo.

Parte 2. 2010

©Ana Pereira

Estender o enquadramento fotográfico, de forma a chegar a um contexto geográfico, não mais uma abstracção pictórica, minimal e romântica.

De forma a entender como estes objectos-lixo se relacionam com a cidade.


 

A tela de uma história que não se acende.

2008.20 imagens

©AnaPereira

A propósito do trabalho do Teatro Bruto Alter-Ego, fui procurar as salas de cinema da cidade do Porto, algumas actualmente encerradas ou com actividades paralelas à exibição de filmes.

Procurar as imagens, os fantasmas, as memórias e particularidades de cada sala.

Abertas as portas e acessas as luzes, a vida volta a encher estes espaços. Sentem-se os cheiros, são visíveis as marcas das histórias que se viveram, nas imagens, nos recados, nas fotografias, em todas as provas de memória.

E estes momentos em que estou a fotografar, são apenas pequenos intervalos de tempo, entre sessões, entre filmes, entre histórias.





As filhas de Lilith

2003

Como é que as outras mulheres vivem? Com o seu corpo, as outras mulheres, os homens, a maternidade, as convenções? Amantes, namoradas, mães, filhas, companheiras, virgens, mulheres? Ainda somos discriminadas, ainda somos objectos sexuais, lutamos, perpetuamos ou é-nos indiferente? E estas mulheres, são extraordinárias, incomuns ou mulheres normais? E o que é ser uma mulher comum em Portugal neste novo milénio?

Fotografar estas mulheres, herdeiras e criadoras desta sociedade ocidental. Filhas de Lilith. A primeira mulher de Adão. A primeira mulher a lutar contra a dominação e a primeira a ser para sempre condenada, pelo desejo de se manter livre.

AP-asfilhas0

AP-asfilhas00

AP-asfilhas01

AP-asfilhas03

AP-asfilhas004

AP-asfilhas006

AP-asfilhas09

AP-asfilhas10

AP-asfilhas13

AP-asfilhas15

 

“Alice, afinal não havia nada do outro lado”. 2001

O auto-retrato é o momento em que olho para mim a olhar.
Olhar para um espelho sofre da distracção daquilo que é presente, agora.
Olhar para uma imagem de mim num papel é olhar para mim sem presente, sem acção, é olhar para mim como se fosse um outro. 
A Alice parte à procura do mundo que se esconde para lá do espelho, de certa forma eu também.
Mas gosto da ideia de que é aqui do lado onde todos estamos, entre o talho e a mercearia, no meio do trânsito dos carros que passam, que acontecem as coisas mais belas e mágicas.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.