a ana no site anamnese

http://www.anamnese.pt/?projecto=az texto sobre o projecto anamnese retirado do site:

“Plataforma digital sobre arte contemporânea de/em Portugal entre 1993 e 2003

Anamnese é um projecto que visa a criação de uma plataforma de informação sobre as artes plásticas em Portugal e sobre a actividade dos artistas portugueses no contexto internacional na segunda metade do séc. XX, a partir de uma cronologia de eventos no período compreendido entre 1993 e 2003.

O objectivo fundamental do projecto é suprir a inexistência no nosso país de uma ferramenta de trabalho dirigida aos estudiosos e ao público em geral que conglomere a informação visual e escrita produzida pelos inúmeros indivíduos e instituições que activamente desenharam o perfil de um contexto em franco desenvolvimento. De facto, com a densificação do quadro institucional dedicado à divulgação da arte contemporânea nos últimos anos, Portugal tem vindo a marcar uma posição que aponta para uma profissionalização crescente do sector, acompanhada por um impulso quantitativo e qualitativo positivo da própria criação artística que urge documentar.

Anamnese vai desempenhar o papel de um mega-arquivo da actividade das instituições e dos artistas portugueses, onde o público poderá encontrar um acervo de informação cronologicamente ordenado. A mais-valia fundamental do projecto advém do facto de essa informação se encontrar dispersa, numa condição de difícil acesso e, em muitos casos, carecer de divulgação. Anamnese vai editar essa massa de informação enquadrando cada acontecimento com perspectivas múltiplas e diferenciadas.

Os mecanismos de classificação/problematização de um determinado evento são cada vez mais sofisticados e, nesse sentido, esta plataforma vai fazer justiça a uma crescente atenção pública a esta área. No entanto, enquanto produtores de dados, tanto os artistas como as próprias instituições acabam por frequentemente negligenciar momentos e sistemas de recolecção / sistematização / contextualização da sua actividade.

Dada a vontade de se estabelecer uma plataforma de informação profícua, inovadora e única no nosso contexto, optou-se propositadamente por uma solução que se vai sustentar na informação produzida pelos vários agentes envolvidos na construção do nosso “sistema das artes”, com o objectivo de rentabilizar o esforço colectivo material e intelectual entretanto desenvolvido, mas nem sempre de acesso fácil a um número alargado de fruidores.

A originalidade do projecto passa, então, pelo nivelamento da acessibilidade a fontes de informação convencionalmente dispersas. Na verdade, a especificidade de uma visão de conjunto sobre um determinado contexto advém do facto de essas sínteses serem normalmente o produto de uma investigação autoral de que resultam compêndios ou manuais de história da arte (também eles escassos no nosso contexto), mas que se afirmam sempre – e no que concerne à contemporaneidade de uma forma ainda mais vincada – como visões subjectivas dessa realidade. A plataforma que agora se desenvolve sustenta-se no conceito de edição, o que obviamente também se materializa por via de um trabalho autoral. No entanto, ao construir-se uma antologia que se pretende alargada e consistente, está-se pela primeira vez a fornecer ao público interessado a oportunidade de cruzar narrativas diversas sobre um mesmo assunto num só plano integrador de informação.

Iniciado em 2002, o trabalho entretanto desenvolvido foi disponibilizado para consulta livre e universal no dia 17 de Outubro de 2006. Entretanto já estavam acessíveis na plataforma as secções a-z e 1a +1p+1a, que desde logo se afirmaram como uma importante ferramenta de divulgação da arte portuguesa.

A secção principal (eventos 93-03) vai continuar a ser permanentemente actualizada com a inserção de fontes visuais e escritas. Entretanto, a Fundação Ilídio Pinho garantiu a continuidade do projecto, no sentido de serem trabalhados os anos posteriores a 2003. Finalmente, refira-se que faz parte do projecto uma edição impressa (anamnese – o livro) que recolhe a opinião de duzentos e cinquenta artistas sobre as exposições mais relevantes decorridas entre 1993 e 2003 e publica uma antologia de dez textos de críticos (Alexandre Melo, Bernardo Pinto de Almeida, Carlos Vidal, Delfim Sardo, Isabel Carlos, João Fernandes, João Pinharanda, Miguel Wandschneider, Óscar Faria e Pedro Lapa) realizados na década. Esta edição mantém a estrutura bilingue do site (português/inglês) e conta ainda com biografias dos artistas assinadas por José Marmeleira.

O conceito de anamnese, que na sua vertente filosófica alia memória e conhecimento, serve aqui de referência à preocupação que justificou a concretização deste projecto na sua procura de pensar criticamente o passado recente para melhor nos situarmos no presente.

Miguel von Hafe Pérez

Advertisements

2 Comments

Add yours →

  1. olá professora. o apartado zero é o meu blog, Eva, (shift no blog). obrigada pelo comentário. 🙂

    beijinhos

  2. parabéns ianica!!! 🙂

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: